domingo, 30 de agosto de 2015

Por acaso


A quarta-feira amanheceu chuvosa. Ela saiu atrasada e atravessou quando o sinal estava fechado. Os motoristas buzinaram e xingaram com seus bigodes centenários. Ela continuou correndo e se escondeu debaixo do beiral da mercearia mais barata da cidade. Deixou a pasta verde cair e quando levantou os olhos se decepcionou: pegou a rua errada. "Merda!". Continuou seguindo pela Rua 12, dessa vez mais lentamente. Já estava irritada o suficiente. Parou para esperar o sinal, que por acaso ou destino, não abria nunca. 
Ela permitiu que seus olhos se perdessem na paisagem até que focassem a janela de madeira velha de um restaurante de esquina. Àquela hora serviam café. Os garçons enrolavam-se por entre as mesas e as moças aguardavam seus macarons com seus vestidos volumosos e bolsas Chanel personalizadas. Seus olhos encontraram as pernas de um rapaz. Calça cáqui e sapatos bem encerados. Parecia perdido por entre as letrinhas do jornal. Ela levou um susto quando ele abaixou o caderno de notícias e olhou por cima dos óculos. Seu coração doía com a força dos batimentos cardíacos acelerados e seus olhos lutavam contra lágrimas que insistiam em vir à tona. Boquiaberta, ficou parada ali olhando aquela criatura que não parecia com nada que havia imaginado, mas que ao mesmo tempo parecia ter sido tirada de seus sonhos. 
Quando deu por si, o rapaz já havia atravessado e seguia por uma avenida que mais parecia um mar cinza de blazers e celulares. Ela correu, sapateando nas linhas da faixa de pedestres. Quando perdeu o moço de vista, soltou a pasta e levou as mãos à cabeça. Ele saiu da livraria com dois exemplares de Filosofia e, distraído, tropeçou numa pasta pesadíssima, que nem se moveu. Ele, prestes a dar um sermão no folgado que ali a deixara, virou-se com o dedo levantado e se viu nos olhos de uma moça de 18 anos. Desenhou o contorno de seus enormes olhos e de sua boca num milésimo de segundo. Respirou mais uma vez, pegou a pasta e entregou à moça, que o olhava fixamente. Virou as costas e deu um passo, prestes a ir embora, mas parou. De cabeça baixa, seus dedos da mão direita faziam círculos nervosos sobre a superfície de linho da calça. Ele voltou e encarou os pés da moça. Subindo pela saia marrom, a cintura e a camisa bem passada, encontrou novamente seu rosto. Uma súbita vontade de acariciar suas bochechas rosadas tomou conta de seu corpo, mas a única coisa que fez foi dizer: "Quer dançar comigo?".
E naquela manhã ele deixou os livros em cima da mesa e permaneceu em pé em frente ao espelho com arabescos da sala. Jogou fora todas as suas teorias a respeito da inexistência do amor. Não acreditava em Deus, mas agradeceu a alguma coisa que não sabia o quê. Seu sorriso tremia no rosto quando olhou o relógio na parede e calculou quantas horas faltavam para sete. 
Enquanto isso, ela pegava o elevador, que sempre demorava mais no terceiro andar, mas dessa vez ela não se juntou ao chefe, que, como todos os dias, reclamava e rogava pragas a quem quer que fosse. Entrou em sua minúscula sala e fechou a porta. Tirou as sapatilhas novas, que machucavam seus calcanhares, e ensaiou mais um passo de bolero. Ele, ao mesmo tempo, ergueu os braços, fechou os olhos e se imaginou guiando a moça pelo salão principal. Seria uma noite de vinho tinto suave, olhares tímidos e risadas sinceras. Voando com tecidos que imitavam seda e bijuterias que imitavam joias, eles se apaixonariam no baile das nove.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Cinco para as cinco


Quando os meus – ou os nossos – filhos me perguntarem sobre o amor, eu vou contar a eles a respeito desses dias. Eu que nunca engasguei pra dizer o que sentia ou hesitei antes de mergulhar de cabeça nas coisas e pessoas, com você fiz o oposto. Não de propósito, é claro.
Havia um quê de lar. Tudo em você era familiar, daquelas coisas que a gente não estranha nunca. É que com você eu me voltava pra dentro. Eu tinha essa mania de dizer “sim” por pura conveniência, mas, com você, essa nunca era a resposta. Eu sabia do seu potencial em dimensões de destino e por isso sempre fugia. Fugia de suas mãos, de seus beijos. Eu podia sentir suas mãos segurando a minha cintura, enquanto eu me desvencilhava e me escondia delas.
Estranho dizer “não” para o que parece certo. É a senhora do destino. Aqueles dias eram assombrados por uma vontade inigualável de um beijo e uma ternura que os anjos abençoavam. Seus olhos, sereias verdes me alcançando e me entorpecendo com seu silêncio ensurdecedor. Na vida, meu bem, até a falta de obstáculos foi um obstáculos pra nós dois. Eu sonhava com o dia em que minhas mãos me libertariam de meus próprios juízos e meus pés me levariam até você. O dia em que eu seria capaz de dizer “sim” tão alto e claro, com cada parte do meu ser.
Quero dizer aos meus – ou nossos – filhos que uma vez eu amei tanto a ponto de não conseguir dizer uma só palavra. Nem uma carta sequer, quem diria palavras vomitadas com adrenalina. Só uma doce ilusão, minhas mãos que se esticam no escuro a fim de encontrar seu rosto com a ponta de meus dedos. Um beijo que a cada dose torna-se mais adocicado. Uma abstinência de ser tua.
Mas a vida me leva. Ventos desfavoráveis, direções opostas. Across the ocean, my sweet child. Minha lua é agora o seu sol. Meu coração bate a mil por hora. Ele vibra com o sentimento de pertencer apenas ao mundo e a si mesmo, mas sabe que a calma é você. Entre paixões devastadoras, regadas a álcool e confusão, você é o silêncio, o cais e o porto. E talvez essa história seja minha ou nossa.
Talvez a gente ria muito desses nossos “quases” quando virmos nossa fita de casamento. Talvez a gente seja o encaixe desse quebra-cabeça. Ou talvez a gente perca a coragem de amar. Pode ser que a gente se contente com o jeito que as coisas são. Afinal, a opção fácil nunca foi ficar. Eu só não imagino um dia sem acordar pensando nas mágoas que o seu olhar coleciona. Eu não me imagino vivendo sem questionar: “Por que não?”. Nós dois. Juntos na mesma frase? Estremeço de medo.
Te daria o mundo inteiro se fosse pra ver surgir um sorriso nesse rosto. E ainda assim não seria capaz de ver e mostrar a expansão de nossos universos interiores. O amor é bem mais do que se pensa. Eu te amo mais a cada dia, mas sei que no final de nossas vidas não vou ter amado o suficiente. E vou desejar voltar. E fazer diferente. E me apaixonar por você de diversas formas. E te beijar de novo até o fim do mundo. Eu assisti você por diversas vidas. Por diversos séculos, modas e cinemas: eu me apaixonei por você em cada um deles.
Até que a vida nos diga “sim”. Até que a gente finalmente seja. E que esse encontro, regado de eletricidade, não caiba em nenhum dicionário. Eu amo você. Eu infinito você. Eu, imensamente, você. 

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Na Estante: Simplesmente Acontece


Olá! Espero que tenham gostado do novo layout. É complicado, porque um layout n-u-n-c-a consegue mostrar tudo o que você deseja mostrar de si mesmo, então... Já quero outro!
Hoje eu quero falar sobre  um dos meus livros favoritos - e, consequentemente, um dos meus filmes favoritos também!
O mais legal desse livro é que ele é todo escrito em e-mails, bilhetes, conversas em chats, cartas... Isso meio que justifica "Love, Rosie" (o título em inglês). Pra ser sincera eu achei que seria um saco ler o livro assim todo fragmentado, mas foi uma leitura muito tranquila. Você acaba memorizando mais rápido os personagens também, já que tem que ficar de olho na pessoa com quem a Rosie está conversando. 
Cara, Simplesmente Acontece é um livro que a gente lê muito rápido. Quando eu vi que já estava na metade eu comecei a fazer hora pra ler. Sério!!! Isso tudo era medo de acabar. Confesso que ainda estou tendo crise existencial por ele ter acabado. 
Para os amantes do filme, o livro é beeeem diferente. É mais detalhado. Exemplo: Ela se muda pra um apartamento e tem um vizinho que é todo tatuado, porém ama música clássica. E os fatos também são diferentes. Quando ela vai para o baile, ela não vai com o cara mais bonito da escola, como no filme. Na verdade, ela vai com um cara que costumava ser bem zoado quando era pequeno. Pode acreditar, tem bastante coisa diferente!
Outro ponto apaixonante do livro são os diálogos da Rosie e o Alex. A tradução optou por manter a fala espontânea e, inclusive, os erros gramaticais. Então tem um monte de erros de português e o famoso "cei" do Alex.
Também é notável o jeito cômico e não trágico que a Cecelia Ahern escreveu o livro. Mesmo quando a Rosie está passando por momentos tensos e difíceis, é possível ver o tom irônico da Rosie. Ela consegue deixar a tragédia engraçada. No filme mesmo a gente vê isso. Não é aquela coisa sofrida. A gente consegue olhar para a situação com calma e delicadeza, meio que estando ao lado da Rosie. 
Enfim, Simplesmente Acontece é... Perfeito! Tem comédia, romance, drama... É um livro completo, sabe? E acaba sendo uma história de vida linda, já que a Rosie demora muito pra realizar metade dos sonhos dela e passa uns bons bocados enquanto isso não acontece. Então... Leia! O tamanho pode ser assustador pra quem não gosta de ler, mas é rapidinho e no fim todo mundo vai ficar como eu, com vontade de ler de novo! (E eu vou mesmo, HAHAHAHA)


"Não quero deixar você."

"Para ser sincera, às vezes eu acho que enlouqueceria sem você."

"Foi como se o mundo tivesse parado naquele instante. Como se todos ao nosso redor tivessem desaparecido. Como se tudo em casa tivesse sido esquecido. Foi como se aqueles poucos minutos tivessem sido feitos apenas pra nós dois, e tudo que pudéssemos fazer fosse olhar um para o outro. Foi como se Alex estivesse me vendo pela primeira vez. Ele pareceu confuso, mas ao mesmo tempo surpreso. Da maneira exata como eu me senti. Porque eu estava ali, na grama, sentada com o meu amigo Alex, e aquele era o rosto do meu melhor amigo Alex, o nariz, os olhos e os lábios dele, mas eles pareciam diferentes. Então eu o beijei."

"A professora me mandou sentar no fundo da sala, ao lado de um garotinho fedorento, melequento, cabelo desgrenhado, que tinha a cara mais feia deste mundo e que se recusou a olhar para mim ou a falar comigo. Detestei aquele menino.
Sei que ele me detestava também, já que sempre chutava a minha canela debaixo da carteira; quando ele disse à professora que eu estava copiando as lições dele, foi como uma revelação. Sentamos um ao lado do outro por doze anos, todos os dias, reclamando da escola, das namoradas e dos namorados, ansiando por sermos mais velhos e mais experientes e desejando nos livrar da escola, sonhando com uma vida sem dobradinha de matemática bem na segunda-feira de manhã."

"Acho que a vida gosta de fazer isso com a gente de vez em quando: te joga num mergulho em alto-mar e, quando parece que você não vai suportar, ela te traz para a terra firme de novo."

"Você me fez sentir como se eu fosse capaz de fazer qualquer coisa, como se eu pudesse enfrentar o mundo."

"Estou feliz. Quero curtir esse sentimento e aproveitar toda essa sorte que estou tendo, mas tem alguma coisa martelando a minha cabeça. Tem uma vozinha que sussurra: "As coisas estão perfeitas demais." É quase como a calmaria que vem antes da tempestade."

" (...) por alguma razão que desconheço, toda namorada ou esposa sua vai me odiar pra sempre. E tudo bem pra mim. Posso superar isso sem problemas."

"Para o seu melhor amigo, Rosie, nunca haverá nenhuma pessoa boa o bastante pra você."

"E, por falar nisso, nunca, jamais se case."

"Vocês dois são esquisitos."

"É difícil tentar cicatrizar as minhas feridas com o mesmo homem que as provocou."

"Por que é que eu me sinto a única pessoa que está perdida, preocupada com as escolhas que fez e com as direções que tomou? Para onde quer que eu olhe, vejo as pessoas seguindo a vida adiante. Talvez eu deva fazer apenas o mesmo."

"Cada queda te faz mais e mais forte."

"Lembretes para mim mesma:
Sob nenhuma circunstância se apaixone de novo.
Sob nenhuma circunstância confie em outro ser humano."

"A criança usa batom agora, Alex. Rosa, brilhoso, cintilante. Passa glitter nos olhos, nas bochechas e no cabelo; em vez de uma filha, estou criando um globo de discoteca."

"Sempre tem de ter um "mas" quando se trata de mim."

"E aqui estou eu, sentada, pensando em você."

"De: Alex
Para: Rosie
Assunto: Relaxa!
Pelo amor de Deus, Rosie Dunne, te amo com todo o meu coração, você precisa se acalmar!"

"Por que deixamos de acreditar em nós mesmos? Por que permitimos que os acontecimentos ou os números ou qualquer outra coisa além dos nossos sonhos governem a nossa vida?"

"Me enfiei na banheira e cheguei a pensar em me afogar, mas aí lembrei que ainda tinha bolo de chocolate."

"Um parto não é nada comparado ao exercício."

"Quando vai ser a minha vez de viver a minha vida para mim mesma em ver de ter que fazer isso por todas as outras pessoas?"

"Sou eu quem vai ter que tentar consertar o coração despedaçado da minha filha. Vou ter que recolher os cacos e enxugar as lágrimas. Vou ter que colocar uma máscara feliz, dar de ombros e dizer: "Ah, não se preocupe, minha filhinha de 13 anos. Nem todos os homens são uns merdas. Só aqueles que você já conhece.""

"Estou tentando encontrar sentido na frase "tudo tem uma razão para acontecer", e acho que descobri essa razão: para me irritar."

"Aprendi que lar não é um lugar, e sim uma sensação."

"Contos de fada são historinhas muito cruéis para crianças pequenas. Toda vez que eu me meto em alguma confusão, fico esperando que um homem de cabelos longos e fala refinada entre trotando na minha vida (montado em um cavalo, claro, e não literalmente trotando). Nessas horas eu percebo que não quero que um homem entre trotando na minha vida, porque foram homens que fizeram com que a minha vida se transformasse nessa bagunça toda."

"Ele tem o rosto tão atraente que eu tenho vontade de mordê-lo."

"Mas uma garota sempre pode sonhar."

"A tatuagem "Amo minha mãe" que ele tem no braço é algo que acaba com qualquer desejo sexual."

"Quando as pessoas são crianças elas usam os pais como uma espécie de medida para ter noção do quanto a situação está ruim. Quando você cai no chão com força e não consegue saber se o seu corpo dói ou não, você olha para os seus pais. Se eles estiverem com uma expressão de preocupação no rosto e vierem correndo na sua direção, você chora. Se eles riem e o seguram pelo braço, dizendo "levanta daí, moleque", você se levanta e continua a brincar."

"Alex, você é um cirurgião especializado em corações. Você conhece o coração por dentro e por fora, no sentido literal. O que se pode fazer quando o coração de alguém está despedaçado? Existe cura para isso?"

"A vida dá cartas diferentes a cada um de nós, e, entre nós todos, não há dúvida de que você recebeu a mão mais difícil. Mas você conseguiu brilhar em meio a tempos sombrios."

"Você nunca conseguiu mentir pra mim, sempre foi péssima nisso. Seus olhos a denunciam o tempo todo. Não finja que está tudo perfeito porque posso ver que não está."

"Ele é o cara mais sortudo do mundo por ter você, Rosie, mas não te merece e você merece algo muito melhor. Merece alguém que te ame com todo o coração, alguém que pense em você a todo momento, alguém que passe cada minuto do dia se perguntando o que você deve estar fazendo, onde você está, com quem está e se está bem. Precisa de alguém que te ajude a realizar os seus sonhos e que possa protegê-la dos próprios medos. Alguém que te trate com respeito, que ame cada parte de você, especialmente os seus defeitos. Você deveria estar com uma pessoa que possa te fazer feliz, muito feliz, andando nas nuvens de tanta felicidade. Alguém que anos atrás deveria ter aproveitado a chance de ficar com você em vez de sentir medo e ficar assustado demais pra poder tentar."

"Meninas boazinhas sempre ficam para trás."

"Hoje eu amo você mais do que nunca; amanhã, vou amá-la ainda mais."

domingo, 9 de agosto de 2015

Na Estante: A Aposta


Oi, gente! Hoje eu vou falar sobre A Aposta, que foi um desafio e tanto pra mim. Tentei explicar a história dele pra um amigo e ele disse: "Cara, quanta treta!". Exatamente, essa é a definição do livro.
Bom, vou tentar: Jake e Travis Titus são irmãos e são amigos de infância da Kacey. Jake era o seu melhor amigo, aquele que sempre estava ao seu lado, defendendo-a, inclusive, do seu irmão, que era um pestinha. Travis estava sempre irritando a garota. Eles realmente se odiavam. Mais tarde, no ensino médio, Kacey e Jake acabam namorando. O namoro acaba de uma forma desastrosa na faculdade. Depois disso, Kacey nunca mais vê nenhum dos dois irmãos.
Um belo dia, Jake marca um encontro com Kacey. Jake agora é um cara bem sucedido, mas que está envolvido num escândalo com a mídia. Para provar que o escândalo todo não passa de uma mentira, ele precisa bancar a figura de bom moço e precisa da... Kacey! Ele pede para que ela se passe por sua noiva e, para isso, ela precisa retornar à casa dos pais dele, onde passou grande parte de sua infância. O que não estava nos planos é que ela reencontraria Travis Titus! Só que, por incrível que pareça, esse reencontro acaba não sendo tão ruim assim...
Agora chega, né? Me sinto tão entusiasmada em relação a esse livro, porque quando eu comecei a ler, eu achei horrível. Fazia até hora pra ler! Só que um dia eu disse para mim mesma: "Ok, se ele é tão ruim vamos acabar com isso logo". Achei que um capítulo bastaria até que eu enterrasse ele numa gaveta qualquer, só que o livro é simplesmente PERFEITO! 
Me surpreendi com a maturidade dele. Sim, é um livro um pouquinho mais adulto. A temática, os palavrões... Precisei deixar bastante coisa de fora, porque é claro que a "treta" toda não para por aí. Sério, não é nem metade.
Enfim, recomendo - e estou quase lendo outra vez. Apesar do enredo um pouco complicado, o livro é muito engraçado e muito romântico. Vale a pena cada letrinha. O maravilhoso e mágico é: tem continuação!!! Já estou lendo O Desafio e em breve teremos resenha! 
Ah! O livro também é bem pequenininho (286 páginas!) e bem fácil de ler. Acho que é porque ele é realmente muito bom, né? Até a próxima! 


"Jake Titus enfiou as mãos nos bolsos. Droga, ela estava linda. Ele não imaginava sentir tudo aquilo."

"Ele seria um tolo se a deixasse ir embora.
De novo."

" - Você vai se machucar, e sabe disso, né?
Kacey suspirou.
- Vou me machucar de qualquer maneira, Travis. Só depende de a qual irmão vou dar essa oportunidade, não acha?"

"O coração dela quase parou nesses poucos segundos.
O sorriso brilhante era para ela, apenas para ela.
Maldito."

"E se? E se ele tivesse pedido desculpas? Amado a garota como ela merecia?"

"Às vezes, quando a vida fica difícil e as pessoas te deixam com raiva ou mesmo quando você está com medo, a melhor resposta é rir. Rir na cara do medo, na cara do que te assusta mais. É o único jeito de você superar as coisas que te fazem chorar."

" - Sinto falta de quem ele era. Sinto falta de quem ele poderia ser. - Ele riu com amargura. - Isso é terrível? Desejar que alguém seja diferente só porque você não concorda com a pessoa que esse alguém se tornou?"

" - Kace. - Seus olhos estavam vacilantes, e ele xingou entre os dentes. - Eu fiz merda.
- Essa é a história da sua vida."

" - Boa noite, Pestinha.
- Boa noite, amor."

"Será que era bom demais para ser verdade? Por que o fato de parecer não haver mais obstáculos no caminho a assustava mais do que quando ele parecia inalcançável?"

"Ele beijou suas lágrimas."

"Kacey tinha gosto de lar.
De eternidade."

"Eu me considero um homem de sorte todos os dias quando vejo você respirar."

"Você devia ouvir que é linda todos os dias. Porque todos os dias isso é verdade, e cada vez que eu te vejo você está mais bonita. Só porque as pessoas não falam, isso não significa que não é verdade, Kace."

"Nada o deixava mais nervoso do que aquele olhar com que ela acabara de presenteá-lo. Era como se ele pudesse, sozinho, salvar o mundo, curar o câncer e ainda chegar em casa a tempo do jantar. Tudo no intervalo de 24 horas."

"Travis a queria mais do que tudo. A vida toda. Quantas pessoas poderiam dizer isso de fato? Que, pela vida toda, nunca tiveram dúvidas de quem era a única pessoa com quem queriam passar a eternidade. Ela. Sempre fora ela. E ele ia lhe mostrar o quanto a amava."

"Ele queria lutar por ela, resgatá-la, e, pela primeira vez na vida, ela acreditava de verdade que era possível ter um final feliz."

"E, mais uma vez, o coração dele martelou com a ideia de que ele finalmente estava em casa, finalmente estava exatamente onde queria estar. Nos braços dela."

"É importante viver e não ficar tão presa ao passado. O passado é chamado de passado por um motivo. Se você está constantemente olhando para trás, seus olhos não veem a estrada à sua frente."

"Ela sorriu. Deus, ela era linda. Como ele poderia sobreviver sem ela?"

sábado, 11 de julho de 2015

Na Estante: Juntos Para Sempre


Olá! Hoje eu quero falar sobre um livro que não é popular, nem imenso e tal, mas é uma gracinha! Eu faço o tipo "acumuladora de livros", sabe? Tenho uma gaveta especialmente para os livros que ainda não li, então quando compro ou ganho algum livro, coloco lá. Este aqui eu achei por acaso, no meio de todos os outros. O meu está super velho, com as páginas amareladas e a capa até descolorindo, mas acabei dando uma chance pra ele (finalmente!). 
Confesso que subestimei esse livro. Não esperava nada dele e acabei encontrando uma leitura super agradável. Inclusive, fiquei super triste por não encontrar quase nada sobre ele na internet (olha essa foto, que coisa horrorosa!). 
O livro faz a linha da história de amor à moda antiga. Até os conflitos têm uma pegada mais adolescente. Achei legal também, porque nos romances atuais o cara sempre tem algum tipo de orgulho que o impede de ser romântico. Não no caso desse aqui! O Dean, no caso, luta muito pela Natalie. É bem fofo! 
Indico muito pro pessoal que adora horóscopo também, já que o livro tem muito disso. Confesso que me perdi algumas vezes, porque não sei nada de astrologia. 
Não posso dizer muito, senão acabo revelando a história toda (161 páginas, gente!). Foi uma leitura super rapidinha, mas, com certeza, uma dose gostosa e saudável de romantismo para suspirar.


"Eu sorria para ele. Havia tanto amor em meu rosto que até um cego poderia enxergar isso."

"Nunca tenho pressa. Prefiro agir quando sinto que tenho chão firme sob os pés. Assim, na pior das hipóteses, já sei onde vou dar com a cabeça, se cair."

"Às vezes a espera por um evento acaba sendo melhor que o evento em si."

"Quis beijá-la desvairadamente, até perder a razão, até me tornar para ela o único cara no planeta de cuja existência ela se lembrasse."

"Beijá-la foi como mergulhar em águas profundas. Houve um súbito choque quando nossos lábios se tocaram, seguido por um longo e lento deslizar de um oceano de prazer."

"Eu me recusava a alimentar deliberadamente uma catástrofe amorosa. Não podia deixar que meu coração fosse partido uma segunda vez."

"Àquela altura da minha vida, eu já tinha aprendido que uma conversa formal e amena é o beijo da morte em qualquer namoro."

"As garotas raramente fazem sentido."

"Nessa minha visualização mental, porém, eu deixara de fora um elemento muito importante da futura situação real: meus sentimentos."

"A sua definição de homem é um Neanderthal."

"O que há com as mães, afinal? Será que, depois que uma mulher dá à luz, ela ativa automaticamente algum gene que a torna capaz de adivinhar tudo o que acontece na vida e na cabeça dos filhos?"

"Confie no seu coração. Ele geralmente está no lugar certo, mesmo quando as estrelas não estão."

"Eu não podia me centrar no passado. Precisava olhar para a frente."

"Não me parecia justo que a noite fosse tão bela agora, quando eu a perdera para sempre."

"Uma garota pode dizer muito sobre um cara só pela maneira como ele beija. E não estou falando de técnicas de língua nem nada do gênero. Refiro-me a sentir se ele está beijando você em especial ou se está apenas saboreando com seus lábios a forma feminina mais próxima disponível."